quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

TRAVESSA DE CULTURA

AQUI O NOSSO AMIGO FERREIRA ANTUNES RESOLVEU PROMOVER MAIS UM CONCURSO, E OS PRÉMIOS SÃO, COMO É HABITUAL, BONS.

PARA CONCORRER BASTA CLICAR AQUI E SEGUIR AS INSTRUÇÕES.

ATENÇÃO QUE O PRAZO ACABA ÀS 5 DA TARDE!!!

♪♫♪ TRÓ ♪♫♪ LARÓ ♪♫♪ LARÓ ♪♫ ♪ QUI . . . ♫♪♫ ♪♪♪

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

PUSSY - VÍDEO CENSURADO



DEPOIS DE JÁ TER ESTADO NO MORENO EM 1ª MÃO, E DE TER SIDO CENSURADO EM TODO O LADO (A PRÓPRIA PÁGINA APRESENTA UM VÍDEO QUE JÁ NÃO TEM NADA A VER), CÁ ESTÁ DE REGRESSO O VÍDEO ORIGINAL DOS FABULOSOS RAMMSTEIN!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

FUMAR? DASSS!...

Depois das mensagens obrigatórias sobre os malefícios do tabaco, os maços de cigarros vão agora começar a exibir imagens dissuasoras do seu consumo. A Marlboro associa-se à campanha e dá o primeiro passo:

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

ANTES DA POSSE

O nosso partido cumpre o que promete.


Só os tolos podem crer que

não lutaremos contra a corrupção.

Porque, se há algo certo para nós, é que

a honestidade e a transparência são fundamentais.

para alcançar os nossos ideais

Mostraremos que é uma grande estupidez crer que

as máfias continuarão no governo, como sempre.

Asseguramos sem dúvida que

a justiça social será o alvo da nossa acção.

Apesar disso, há idiotas que imaginam que

se possa governar com as manchas da velha política.

Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que

se termine com os marajás e as negociatas.

Não permitiremos de nenhum modo que

as nossas crianças morram de fome.

Cumpriremos os nossos propósitos mesmo que

os recursos económicos do país se esgotem.

Exerceremos o poder até que

Compreendam que

Somos a nova política.

DEPOIS DA POSSE

Basta ler o mesmo texto acima, DE BAIXO PARA CIMA, linha a linha

sábado, 6 de novembro de 2010

Sobremesa para o fim de semana


"Lady revealing - os marmelos"

Tintoretto (1518-1594)

Assim por alto isto são uns marmelos prá aí com mais de 400 anos. Apesar da idade pode ver-se que a fruta está bem conservada.(Museu do Prado, Madrid)
Sempre achei incrível o que os publicitários inventam para vender um produto. Os detergentes têm um não sei quê que os torna infalíveis. Os oleos, os iogurtes, os bífidos activos, Omegas 3, etc, etc.Eu ouço e sorrio. Dito isto cá vai a última. Estava eu esparramada no sofá em frente ao televisor quando vi e ouvi o impensável. Um anuncio a um creme para revitalizar a pele e remover manchas da idade, com (pasme-se) extracto de baba de caracol, pela módica quantia de €79. Imaginei logo a rata sábia e matreira relaxada nua e húmida numa banheira com meia dúzia de caracois a babarem-se e a rejuvenescê-la. Ou pelo menos a fazerem-na reviver outras lambidelas...
Viva o caracol!!!

Esta cerâmica é do Perú




Esta é a trinca Pilas!

Andava a Pata rata a debicar no jardim quando se lhe deparou um pitéu. Uma suculenta minhoca gorda a que ela não resistiu.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Nós somos as doces Mamocas Achocolatadas!!!

ESTÍMULO

Dizer que a Fed, formalmente conhecida por Federal Reserve Bank (um banco privado) compra 600 mil milhões de dólares em títulos do tesouro equivale a dizer que o governo dos EUA mandou emitir 600 mil milhões de dólares em moeda, endividando-se em mais 660 mil milhões, fazendo assim cair o valor do dólar face ao euro e continuando a aumentar a dívida externa, que continua a ser a maior do mundo e que, obviamente, os EUA nunca terão possibilidades nem intenções de pagar, uma vez que o dólar não vale o papel em que é impresso pelo facto de não ter sustentação (legal tender).

Ao contrário do que muitos possam pensar, o Federal Reserve Bank, apesar de estar sediado em Washington D.C., não tem nada a ver com o governo nem com a federação, trata-se de uma instituição privada dirigida por meia dúzia de banqueiros mundiais, não comparável ao Banco de Portugal ou ao Banco Central Europeu.

Comentário a notícia no Público: "Fed avança com estímulo de 900 mil milhões à economia"

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

TÓNES

Não sei se já repararam, mas a partir de hoje já se paga portagem nas SCUT.

O Norte começou por dar o exemplo, entupindo as EN’s e os centros de vilas e aldeias pejados de mini-rotundas, passadeiras, semáforos e tampas de saneamento desniveladas.

Os mais cumpridores têm tentado, sem grande sucesso, adquirir o milagroso “Chip de Matrícula” nos CTT ou na Via Verde de Fernão Magalhães (parece que, afinal, já não é gratuito).

No meio de tanta polémica, ninguém se lembrou de fazer o mais óbvio, ou seja, desobedecer a uma lei discriminatória e injusta. Onde está, afinal, a valentia do Povo Nortenho?

Cambada de tónes, é o que é, primeiro deixámo-nos comer nos túneis e agora é nos pórticos; qualquer dia, por este andar, vamos começar a pagar taxa de latitude!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

sOneto quase inédito

Surge Janeiro frio e pardacento,
Descem da serra os lobos ao povoado;
Assentam-se os fantoches em São Bento
E o Decreto da fome é publicado.


Edita-se a novela do Orçamento;
Cresce a miséria ao povo amordaçado;
Mas os biltres do novo parlamento
Usufruem seis contos de ordenado.


E enquanto à fome o povo se estiola,
Certo santo pupilo de Loyola,
Mistura de judeu e de vilão,


Também faz o pequeno "sacrifício"
De trinta contos - só! - por seu ofício
Receber, a bem dele... e da nação.

JOSÉ RÉGIO

PaciÊncia de GNR
















 
  • “Digo-lhe senhor Guarda que já vi por três vezes no porta-luvas e não encontro a carta de condução...”
“Veja bem mais uma vez Minha Senhora, tenho a certeza que está aí !!!"

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Memórias...do Trolei

Proveniente da Adega Azul em S. Pedro da Cova, a carreira 11 servia o transporte colectivo em direcção ao Porto, até ao Bolhão. Levava-me para todo o lado, à baixa, ao cinema, às aulas, à praia(...), e eu que sempre viajava com cara de sono. Chegava quase sempre apinhado de caretas mal-humoradas a caminho dos empregos. A entrada fazia-se pela porta traseira do veículo, directo à “cozinha”, que se atropelava na ânsia de apanhar um lugar vago. Ninguém escapava ao “pica” que, entalado no seu cubículo apertado, conferia o passe ou obliterava os bilhetes. Eu subia sempre as escadas para o piso superior e ali, se houvesse lugar vago nos bancos da 1ª fila, sentia-me um privilegiado, mas a única vantagem era psicológica. O troleicarro andava sempre lento e muito atrasado, mas mesmo assim eu julgava triunfar sobre o tempo perdido. Talvez espiar os outros passageiros, nomeadamente as raparigas bonitas e transeuntes fosse a melhor das distracções. Ainda que fosse difícil alcançar as raias do tédio, com uma vista panorâmica sobre o reboliço urbano não era difícil para o comum passageiro, como eu, dormitar até babar! Refastelado nos desconfortáveis assentos de napa vermelha, eu observava o deslizar passivo do pachorrento veículo, preso aos cabos eléctricos seguros pelos suspensórios. Estes amigos do ambiente transportavam passageiros carregados de compras da Rua de Santa Catarina e do Bolhão. Neles entravam aos magotes os alunos do "Alexandre", onde eu estudava, e do “Rainha”. No Bonfim subiam os que chegavam trazidos pelo comboio até Campanhã. Na Praça das Flores um grupo de operárias encarregava-se de trazer outra animação à viajem. Em S. Roque, junto à Ponte de Rio Tinto, o solícito motorista aguardava uns minutinhos para que os passageiros fizessem o transbordo do 88. E o metálico caixote cor de laranja baloiçava o caminho todo e muitas vezes rangia, até parado… “réque-réque réque-réque”, quando as varas se soltavam dos cabos. É claro que se perdiam preciosos minutos, mas quando temos de permanecer durante um certo período com outras pessoas dentro dos transportes públicos, a nossa disposição e capacidade de observação supera qualquer monotonia. Sobretudo à noite, quando não há o que ver pela janela, as pessoas são “obrigadas” a se vasculharem. Naquele alheamento natural, a distracção óbvia do jornal, do livro, do sono e da cusquice da gente bonita. Recordando bem as faces das pessoas servidas pelo trolei das sete e meia, percebia-se que havia desconforto mas havia um notável sentimento de partilha, uma comunicação audível e sincera, onde os problemas da vida eram contados a rir e as cenas dos próximos capítulos da novela da vida surgiam com um "até amanhã se Deus quiser".
Este texto que me fez ir ao baú das minhas recordações consta da cartilha das memórias do Quim Tóne que muito gentilmente mo cedeu para o publicar.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Para não irmos ao fundo de vez, escolha-se a bandeira do novo reino, só o Reino Anarka da Maria Da Fonte ou a Réspública Anarkika de Couce nos podem salvar, nem mesmo o Núé

Viva a Maria da Fonte
Com as pistolas na mão
Para matar os CABRÕES !
Que são falsos à Nação.

http://www.agenciafinanceira.iol.pt/economia/iva-impostos-oe-orcamento-funcao-publica-governo/1195142-1730.html
http://www.agenciafinanceira.iol.pt/economia/salarios-funcao-publica-oe-governo-orcamento-despesa/1195139-1730.html
  • (Por acaso até tenho um amigo chamado Noé, e sei que tem uma Arca).
  • Adeus Portugal, está mais que provado que já não há solução possível!
  • Vamos inventar outro tipo de regime, ou colocamos o país à venda?
  • Até pode ser que, sei lá, os coreanos estejam interessados!...
  • Morra Portugal, viva outra coisa qualquer!
  • Viva, por exemplo, a Maria da Fonte!
in noticias de um amigo meu de 29 set (4 dias atrás) e esse amigo meu amigo "vem canta sonha cantando um novo sol, vem que um dia todo o Homem voltará a ser novamente meu irmão"

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Coisas sem importância nenhuma

Gabinetes ministeriais custam mais de 30 milhões em 2010 diz o cabeçalho da notícia. E dentro dela vêm os pormenores. Por exemplo, com as deslocações e estadas do primeiro-ministro e dos 15 ministros o estado gasta, em 2010, um total de 1,5 milhões de euros, o que corresponde a um crescimento de 8,2 por cento.


Entre as rubricas que mais aumentam em 2010, estão os gastos em seminários (357 por cento para 135 mil euros); em publicidade (174,2 por cento para 47 mil euros) e os prémios, condecorações e ofertas (90,1 por cento para 167 mil euros).

As que mais caíram foram os artigos honoríficos e decoração (-74 por cento) e a limpeza e higiene (-21 por cento para 112 mil euros).

O Público está de parabéns. Faz falta que alguém esteja atento e separe o trigo do joio.

O governo faz apelo a contenções enormes, nalguns casos pondo em risco a sobrevivência de agregados familiares, mas quando se trata de staff, continua a gastar à tripa forra.


in Pisca de Gente, Gorje