terça-feira, 28 de setembro de 2010

Coisas sem importância nenhuma

Gabinetes ministeriais custam mais de 30 milhões em 2010 diz o cabeçalho da notícia. E dentro dela vêm os pormenores. Por exemplo, com as deslocações e estadas do primeiro-ministro e dos 15 ministros o estado gasta, em 2010, um total de 1,5 milhões de euros, o que corresponde a um crescimento de 8,2 por cento.


Entre as rubricas que mais aumentam em 2010, estão os gastos em seminários (357 por cento para 135 mil euros); em publicidade (174,2 por cento para 47 mil euros) e os prémios, condecorações e ofertas (90,1 por cento para 167 mil euros).

As que mais caíram foram os artigos honoríficos e decoração (-74 por cento) e a limpeza e higiene (-21 por cento para 112 mil euros).

O Público está de parabéns. Faz falta que alguém esteja atento e separe o trigo do joio.

O governo faz apelo a contenções enormes, nalguns casos pondo em risco a sobrevivência de agregados familiares, mas quando se trata de staff, continua a gastar à tripa forra.


in Pisca de Gente, Gorje

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

COISAS QUE PARECEM IMPORTANTES

O que é importante é saber quem é o próximo treinador do F.C. Couce e quanto ganha por mês, uma vez que os associados já estão com falta de capacidade financeira para sustentar as galinhas a milho ralado.

Aliás, as galinhas andam muito solidárias e compreensivas para com a crise couçana, investindo no aumento das suas unhas para esgravatar a terra na procura das minhocas, à custa dos seus caprichos unhacais¹ e de beleza.

O senhor D. José de Vicente agradece a poupança que as suas galinhas fazem, pois o dinheiro que lhes costumava dar para a pedicura pode agora ser canalizado para construir meia linha de TGV, que já não passa por Santa Justa e só vai até à Senhora das Chães.

Quanto à ponte, essa fica para depois de se construir o rio.


Autoria: Nelinho de Couce ©
Adaptação para Blogue: Sopinha de Letras™
in A Toca do Coelho Pardo ®


¹ Unhaca (de unha):

substantivo feminino

pessoa sovina;

pessoa íntima, muito amiga;

(Dicionário Prático Texto Editora)

sábado, 11 de setembro de 2010

O azeiteiro e o burro

Dois estudantes encontraram, numa estrada, um azeiteiro com um burro carregado de bilhas de azeite. Os estudantes estavam sem dinheiro; por isso, decidiram roubar o animal. Enquanto o pobre homem seguia o seu caminho, um deles tirou a cabeçada do burro e colocou-a no pescoço. O outro estudante fugiu com o animal e a carga. De repente, o azeiteiro olhou para trás e viu um rapaz em vez do burro.

Nesse momento, o estudante exclamou: «Ah! senhor, quanto lhe agradeço ter-me dado uma pancada na cabeça! Quebrou-me o encanto que durante tantos anos me fez ser burro!...» O azeiteiro tirou o chapéu e disse-lhe: «Afinal, o meu burro estava enfeitiçado! Perdi o meu ganha-pão! Peço-lhe muitos perdões por tê-lo maltratado tanta vez - mas que quer? - o senhor era muito teimoso!»
- Está perdoado, bom homem! - disse o estudante. O que lhe peço é que me deixe em paz.
O pobre azeiteiro lamentou-se porque já não podia vender o azeite. Então, foi pedir dinheiro a um compadre para ir à feira comprar outro burro. Quando lá chegou, viu um estudante a vender o seu burro. O azeiteiro pensou que o rapaz se tinha transformado, outra vez, num animal! Aproximou-se do burro e gritou com toda a força: «Olhe, senhor burro, quem o não conhecer que o compre».
(adaptado)
Conto Tradicional Português

terça-feira, 7 de setembro de 2010

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

OSHO: Meditations for Contemporary People

OSHO: Why Do I Get So Sensitive? (Spanish subtitles)

OSHO: Dreams Are Your Unlived Life

OSHO: I Live Spontaneously

Sai do tédio, pratica as posições do Kamasutra


Pura provocação:



  • Escolhe uma espreguiçadeira estreita o bastante para te sentares com uma perna de cada lado e os pés no chão. Faz o teu querido deitar-se de pernas esticadas nela. Vai por cima, como mostra a ilustração, e move os quadris, estimulando o pênis dentro de você para cima e para baixo, de um lado para o outro..

Gangorra sexual:

Faça alguns exercícios de alongamento antes. Então, deite-se de costas e levante as pernas o máximo possível, dobrando-as para trás, paralelas ao chão. Ajoelhado à sua frente, o homem vai ajudar a manter o equilírio, sustentando seu bumbum nas coxas. Depois da penetração, comecem um lento e sensual movimento de sobe-e-desce, como numa gangorra.

Vento em popa:



  • Deitada de lado, levante a perna de cima como um mastro, dando espaço para que ele se ajoelhe e a penetre. Agora, fazendo manobras para a frente e para trás e curvas audaciosas, pense que ele é o timoneiro que vai levá-los ao nirvana.

Cataratas do Niagara:



  • Entrem em uma banheira com água morna, que tenha chuveirinho. Seu amado deve se sentar com as pernas esticadas e você, no colo dele, apoiando os braços na beira da banheira. Enquanto ele a penetra por trás, dirija a ducha de água para o clitóris.

Cadeira de balanço:



  • Seu amado deita-se com as costas apoiadas em um travesseiro alto, as pernas flexionadas e separadas, o membro pronto para entrar em ação. Sente-se sobre o rapaz (como a ilustração mostra), com suas pernas entre as dele. Braços para trás, coloque as mãos nos ossos dos quadris dele. Agora, já tem o apoio necessário para se movimentar para a frente e para trás, para cima e para baixo.

Coladinhos:



  • Olha só que provocante variação do papai-e-mamãe (a mulher deitada de costas e o homem por cima). Até pode parecer, mas a posição não tem nada de comportada. O ideal é manter as colunas perfeitamente alinhadas. Assim, quando ele deslizar sobre você para cima e para baixo (em vez do tradicional entra-e-sai), cada centímetro da pele será massageado.

Parece mas não é:




  • A posição tem um segredo. Observa na ilustração que o bumbum da mulher não está apoiado na cama. O homem deve ficar de quatro (sobre os joelhos e as mãos) e você, erguer o corpo ao encontro do pênis. Enquanto ele mantém a posição, a iniciativa dos movimentos de entra-e-sai é sua.


Proposta indecente:



  • Deita-te de lado numa superfície bem lisa. Apóia-te sobre o braço e levanta a perna de cima bem esticada, formando um ângulo reto. Pode imaginar convite mais explícito? Basta ele ajoelhar-se entre as suas pernas e fazer acontecer.

Vai-e-vem:



  • Seu querido vai sentar-se de pernas cruzadas e você, sentar-se de frente para ele em seu colo, passando as pernas em volta da cintura. Então, comecem a balançar para a frente e para trás bem devagar, aumentando o ritmo do movimento à medida que forem se aproximando do orgasmo.

Chão de estrelas:

  • De costas para ele, curve o corpo para a frente, até apoiar as mãos no chão (se flexibilidade não for o seu forte, pode dobrar os joelhos). Faça-o encaixar por trás, abraçando-a pela cintura. Se seu homem for muito impetuoso, você pode usar um travesseiro para apoiar as mãos.

Kamasutra no feminino

TANTRA BEER


1 - Introdução ao sexo tântrico
O sexo tântrico vem de uma antiga filosofia indiana, que transporta a sexualidade do plano do fazer ao plano do ser. É uma maneira meditativa, espontânea e íntima de fazer amor. No Tantra, a mulher é concebida como Shaktí, a energia cósmica criativa. O Tantra induz o homem a sentir a sua companheira de forma plena.
Além disso, o sexo tântrico considera a ejaculação um desperdício da energia vital, e uma das suas metas é aprender a retardá-la. Aproveitem este recurso fabuloso, além de aprender todas as posturas e as técnicas desta filosofia milenar.
Preparem a cena com dedicação: espalhem almofadas confortáveis sobre a cama, tenham à mão óleos aromáticos para o corpo, decorem o ambiente com velas e incensos... Se quiserem que seja uma noite inesquecível, preparem um bom vinho e alguns ingredientes, como figos, uvas, cerejas, alcaparras e morangos. Depois, é só colocar os ensinamentos em prática.

2 - Os primeiros toques
Preparem um lugar confortável, sensual e tranquilo. Decidam qual dos dois será, desta vez, o activo e quem receberá as carícias. Na próxima vez, mudem os papéis.
Para poder experimentar as sensações tácteis, é necessário prestar uma atenção especial a certos detalhes. No preparo do ritual, recomenda-se tomar um banho quente para suavizar a pele e relaxar.
A iluminação deve ser fraca: acender velas é uma boa opção. Finalmente, esquentem os corpos com óleos de essências afrodisíacas, por exemplo, de rosa ou sândalo.
Devem dispor de tempo suficiente para se livrarem de todas as preocupações. Durante pelo menos uma hora, cada um deve tocar e explorar o corpo do outro. Lembrem-se que este terreno é tão acessível quanto inesgotável. Depois disso, conversem sobre as sensações descobertas e desejos despertados.

3 - Massagem tântrica
A linguagem do contacto, a pressão e as carícias são o caminho para descobrir uma sensibilidade que não conhecemos ou redescobrir sensações perdidas. Na massagem tântrica, as mãos são a principal ferramenta para um encontro físico, emocional e espiritual do casal. É uma óptima experiência para nos consciencializarmos de que dar e receber é um fluxo constante de energia. Além disso, pode ser um delicioso prelúdio para alcançar uma excitação antes desconhecida. Descubram as infinitas possibilidades sentidas através dos corpos.
Apesar da importância de conhecer diversos movimentos de massagem, a subtileza das mãos é indispensável: elas, mais do que qualquer outra parte do corpo, são capazes de transmitir ternura e carinho.
Por isso, acariciar os dedos das mãos, onde existe uma enorme quantidade de nervos, permite um relaxamento muito especial. Comecem desde as pontas dos dedos, sempre evitando fazer cócegas, até terminar com ambas as mãos unidas, palma com palma.
O rosto também é uma parte muito pessoal do corpo. Lentamente, com um pouco de óleo nas mãos, percorram os caminhos dos traços: os contornos dos olhos, da testa em direcção ao nariz, o volume da boca.
Depois, acariciem o rosto do parceiro de forma rítmica, fazendo círculos nas bochechas ou ao redor do queixo, aliviando as marcas de preocupação. Finalmente, vão descendo da cabeça até o pescoço para descarregar as tensões.
Acariciar o umbigo do parceiro pode acrescentar confiança. Esta é uma área vulnerável que deve ser tratada com delicadeza. Façam movimentos circulares para relaxar tensões emocionais e físicas que reprimem o fluxo de energia sexual e vital.
Deixem de lado as palavras para que o contacto seja a linguagem da calma. Aproximem-se dos genitais sem chegar a tocá-los. Quem faz as massagens deve concentrar-se nas sensações produzidas pela temperatura e pela textura da pele.
Os pés são uma área especialmente sensível, já que concentram uma enorme quantidade de terminais nervosos que se conectam com o corpo inteiro. Subtilmente, procurem a pressão apropriada para evitar cócegas e ao mesmo tempo conseguir fazer o parceiro relaxar. Algumas pessoas podem não gostar muito deste tipo de contacto. Neste caso, é melhor interromper a massagem, não quebrar a harmonia e massajar outra parte do corpo.
Com pequenos toques, começando desde as costas até chegar às pernas, percorram agora o rabiosque, uma área especialmente erógena. Escolham o momento certo para deter o movimento e transmitir o calor da mão apoiado na palma em cada lado. Se o jogo já é intenso, pequenas pressões com as unhas podem disparar as mais variadas sensações.
A flexibilidade da coluna é para o Tantra um eixo fundamental de energia e sensualidade. Deslizem as mãos para baixo usando óleos essenciais.
Para eliminar tensões localizadas, façam movimentos circulares, mais curtos ou mais intensos utilizando dois ou três dedos.
Sem chegar a tocar os genitais, mas aproximando-se deles, esta pode ser uma ginástica extremamente sexual. Percorram o baixo-ventre e acariciem a parte interna das coxas. Com as unhas façam desenhos na pele.
Lentamente, com a mão aberta e desde o umbigo, desçam e voltem ao ponto de partida. Brinquem com a pele improvisando movimentos fluidos. Lembrem-se que o mapa do corpo é diferente em cada pessoa, por isso a aprendizagem só passa pelo reconhecimento.

4 - Masturbação
Comece pensando nas suas zonas erógenas, no que você gosta e no que não gosta. Para isso, entre no seu próprio mundo de sensações. O resultado será uma surpreendente revitalização e conhecimento de seu erotismo, que poderá ser compartilhado com o seu parceiro.
Deite-se na cama e acaricie o seu corpo inteiro, inclusive o rosto, os peitos, o ventre e as coxas. Nas mulheres, lentamente, faça os seus dedos recorrerem aos lábios vaginais. Pressione sensualmente a vagina e o clítoris dando liberdade a tudo que a fizer sentir prazer. Nos homens comece pela base do pénis e segurando vigorosamente, mas delicadamente suba até a glande, a área mais sensível do corpo do homem. Concentre os estímulos nestas áreas mas não esqueça que o corpo é um todo indivisível.
Não procure chegar ao orgasmo - use bastante tempo para desfrutar de todas as sensações sexuais. À medida que você for ficando excitado(a), relaxe e respire regularmente, tentando fazer com que o efeito se expanda em todo o seu corpo.
As fantasias sexuais sempre ajudam a intensificar as sensações, mas neste momento é melhor não se concentrar em imagens mentais, mas sim entrar profundamente em seu próprio físico. Quando começar a perceber a chegada das sensações orgásmicas, tensione os músculos das nádegas, suspire, gema, grite e expresse seu erotismo sem complexos. Entregue seu corpo ao prazer.

5 - Posições Tântricas
Penetração Profunda
Equilíbrio entre corpo, mente e espírito: esta é a proposta da escola tântrica. Uma das formas de alcançar isso é canalizando a energia sexual para aproveitar o seu poder e energia. A penetração profunda é uma postura da escritura tântrica mais esotérica, chamada Chandamaharosana (o grande elixir lunar). A abertura das pernas da mulher permite que a penetração se sinta num nível diferente do habitual. Experimente outras sensações, apoiando as pernas nos ombros.
Inclinados
A energia do Shaktí flui harmoniosamente nesta postura sensual. Ambos devem estar sentados, levemente inclinados para trás, apoiando o peso nos braços. O homem deve penetrar lentamente olhando-a intensamente nos olhos. Subtis movimentos pélvicos acompanham o jogo. Se estiverem cansados, podem deitar-se sem perder a postura diminuindo o ritmo, formando uma mandala com os corpos entrelaçados.
Sentados
Fazer amor sentados e com as costas erguidas entrelaça os corpos, fazendo esta energia fluir livremente e com harmonia. Nesta posição o casal abraça-se e move-se suavemente, deixando os sentimentos e os sentidos circularem.
Postura de Kali
A imagem desta postura relembra a deusa tântrica Kali sentada sobre o falo, que representa o pénis de seu parceiro inerte, Shiva. Quando eles faziam amor ou iam almoçar fora, procuravam uma sexualidade desinibida e desenfreada. A mulher senta-se de cócoras sobre o homem e mexe os quadris em círculos enquanto o segura pelas mãos. Durante a relação, ela pode acariciar o seu clítoris ou deixar que ele faça isso para aumentar a sua excitação e desencadear um orgasmo profundo.
Doce oferenda
A mulher fica sobre o homem, que fica apoiado nas almofadas da cama. Desta forma, você pode mostrar o seu corpo e oferecer-lhe os seus seios. Os mamilos são altamente erógenos, e sua estimulação activa os centros emocional e sexual da mente. Pelas técnicas tântricas do amor, oferecer os seios ao homem simboliza a essência da feminilidade, da amante e mãe que toda mulher potencialmente é.
Postura do elefante
Esta postura brinca com os papéis dos parceiros durante o acto sexual. Há sempre um que domina mais que o outro o ritmo do jogo. Na postura do elefante o homem controla a situação penetrando a mulher por trás, mas aguentando o seu próprio peso com a força de seus braços, apoiados no chão. A mulher não fica totalmente passiva: pode fechar as coxas para diminuir o ângulo de penetração ou mexer os quadris para acompanhar o homem em cada investida.
A postura das tesouras
O homem esticado de lado recebe a mulher que, quase de costas para o parceiro, passa a perna por cima da cintura dele, entrelaçando os corpos de uma forma muito excitante. A postura das tesouras permite que os dois se olhem conseguindo a tão desejada comunicação serena. O casal respira sincronizadamente e une-se com carícias e beijos. A perna do homem entre as da mulher pode servir para acariciar suavemente o seu clítoris e estimulá-la para alcançar um doce e profundo orgasmo.
Yantra montado
Os benefícios das variações na vida sexual de um casal são infinitos. A mulher deve colocar as pernas por cima dos ombros do seu amado e relaxar os músculos pélvicos para possibilitar uma penetração profunda. No Tantra Chandamaharosana, esta postura denomina-se yantra montado. Elimina a fadiga e abre os canais energéticos da pélvis e da virilha, ao mesmo tempo que favorece a circulação linfática.

6 - Técnicas Tântricas
Contacto visual
Um recurso herdado de velhas tradições indianas reside em refrear o ritmo, seja qual for a posição escolhida, para se poder olhar profundamente nos olhos. É difícil consegui-lo pois, depois de realizada, a penetração parece impossível de se parar. Mas é possível sim, e muito excitante. A melhor postura para fazer isso é a que deixa os amantes cara a cara. Imóveis, a mulher e o homem olham-se profundamente durante alguns segundos, nos quais o tempo parece parar, para voltar à actividade sexual com mais entusiasmo e excitação do que nunca.
O ponto de pressão
A ejaculação provoca no homem um desgaste que muitas vezes prejudica o clímax da mulher. O tantra ensina a controlar a ejaculação para canalizar a energia vital ao êxtase. Para isso, existe uma técnica que consiste em exercer uma firme pressão com os dedos sobre um ponto do períneo, situado entre o ânus e o escroto. Esta pressão consegue evitar que o sémen saia da próstata. Diga-lhe para usar toda sua concentração e prestar atenção à respiração, que deve diminuir... Aproveite para aumentar a sua excitação. Peça-lhe que a estimule ou que faça isso por conta própria.
A natureza animal
O Tantra diz que devemos aceitar tanto a natureza animal como o carácter divino da sexualidade humana: "O homem monta na mulher como se fosse um touro". Relaxem e percam-se nos labirintos do mundo selvagem e variem as posições. Enquanto ele a penetra por trás, você pode deitar-se, subir a pélvis com uma almofada ou ficar de quatro. Quando um casal se conhece melhor sexualmente, pode brincar e aproveitar a variedade e, quanto mais solta você se sentir, melhores serão os seus orgasmos.
O Elixir
Segundo o Tantra, só graças à mulher o homem pode conhecer os sagrados mistérios sexuais. As secreções sexuais femininas são o néctar, o manjar dos deuses... Quando uma mulher chega ao orgasmo, crê-se que a sua saliva possui propriedades que harmonizam a energia polar masculina e feminina, o yin-yang.
Nesse momento, ela deve beijá-lo profundamente para compartilhar com ele o seu doce néctar; entregue-lhe a sua saliva delicadamente, deixando que caia na sua boca, enchendo-o de prazer e energia.
Por considerar sagradas as secreções da mulher, o Tantra procura posturas que favoreçam a sua satisfação mais plena. Esta é uma delas. Estando a mulher de costas para ele, o homem deve penetrar suavemente enquanto acaricia os seus seios e beija o seu pescoço. O pénis do homem deve absorver as suas secreções, que são "os sucos do amor". Isto também pode ser feito por meio do sexo oral.
Os pontos eróticos
A estimulação do clítoris é, para a maioria das mulheres, a porta de entrada ao prazer do orgasmo. As posições que favorecem seu acesso directo são as melhores para chegar ao clímax, seja por sua própria estimulação ou pela de seu parceiro. O ponto G também é um grande aliado na hora do seu gozo: sentada sobre o homem, a mulher deve inclinar-se levemente para trás movendo a pélvis; isto provoca a pressão do pénis no botãozinho erógeno descoberto por Grafenberg, levando-a um orgasmo inesquecível.

7 - Ejaculação e controlo do orgasmo
Para conseguir fazer todas as posturas do Tantra, é preciso desenvolver a flexibilidade. As figuras requerem força e elasticidade, especialmente na parte inferior do corpo, a raiz que nos conecta à terra. Por isso, exercitar-se é essencial: isto intensifica a descarga de energia orgásmica pelo corpo inteiro.
Mas mesmo que para o homem pareça uma condição fundamental, não é necessário que seu pénis esteja sempre erecto nas brincadeiras sexuais nem durante a relação sexual. Uma erecção que perca a força não deve implicar na interrupção da actividade: ao contrário, deverá estimular a volta com mais intensidade.
Para o homem, existe uma técnica chamada Mula Bandha, que possibilita segurar a ejaculação. Antes do contacto genital, ele deverá agachar a cabeça e centralizar a atenção na área pélvica. Inspirando profundamente, deve contrair o músculo que rodeia o ânus e fazer três séries de dez contracções. Antes de sair, o sémen passa pelo períneo, que fica entre o escroto e o ânus. A vontade de ejacular também é contida relaxando os músculos das nádegas e respirando harmoniosa e conscientemente. Esta é uma técnica que faz parte da proposta tântrica de que o homem deve aprender a controlar a sua ejaculação. Realizando esta técnica, consegue-se bloquear o períneo e aumentar o prazer.
Não só os homens devem aprender a controlar o seu orgasmo para aumentar o prazer de ambos. A mulher também deve aprender a fazê-lo, principalmente se sente que quando ele se está a vir nada o segura... Diminua o ritmo, distraia a mente e respire profundamente. Uma técnica tântrica recomenda, neste momento, apertar a língua contra o céu-da-boca enquanto esvazia a mente de tudo.
Para atrasar o orgasmo ou prolongar a relação, existe uma técnica tântrica que, pelo papel dominante do homem, traz óptimos resultados. Durante a penetração e, na clássica posição de "missionário", faça o seu parceiro conter o movimento quando ainda não tenham chegado ao auge da excitação. Retire o pénis deixando apenas a glande na vagina e respirem profundamente levando o ar ao abdómen. Os músculos genitais de ambos relaxarão e poderão voltar a encarar o movimento sem a necessidade de acabar imediatamente.

8 – Recapitulando
O Tantrismo, de que actualmente tanto se fala, não é apenas mais um género de filosofia que tenha surgido recentemente. Uma mistura de ioga, meditação e budismo caracteriza o tão badalado Sexo Tântrico.
Quem julga que após este artigo vai praticar sexo tântrico de um dia para o outro, engana-se! Primeiro porque o Tantrismo é uma arte, uma filosofia de vida, que não pode ser adoptada de um momento para o outro e, depois, porque o sexo tântrico não é tão simples como possa pensar. Requer tempo, aprendizagem e conhecimentos!
Nascido na Índia Medieval, o Tantrismo remonta a filosofias tão antigas como o Budismo. Praticado a partir do século IV, o Tantrismo é um ensinamento que tem vindo a ser passado de geração em geração, por via oral, do mestre para o seu discípulo. Aliás, talvez não seja por acaso que Tantra significa exactamente continuidade, sucessão e desenvolvimento contínuo.
A energia é a palavra-chave desta filosofia de vida. É necessário despertar a energia, elevá-la o mais alto possível, até atingir o seu expoente máximo, e depois aprender a dominá-la. Por isso, o Tantrismo eleva os impulsos e os desejos sexuais ao seu mais alto nível, aprendendo a geri-los e a dominá-los à vontade do ser humano, embora nunca sejam reprimidos, à excepção da ejaculação. Aqui, no sexo tântrico, a energia é materializada na mulher. Os corpos são puros, quase sagrados, idolatrados na sua essência e funções.
Para além do prazer, o Tantrismo defende a união sexual do homem e da mulher, em que a mulher representa Shakti, e o homem Shiva. Não se trata apenas da união de duas corpos que se fundem no acto sexual, mas também a fusão entre as duas forças do mundo: o homem e a mulher num sentido espiritual e sexual. É esta ligação dos corpos que os fiéis do sexo tântrico apelidam como divina e única, o verdadeiro símbolo da criação e procriação de tudo o que nos rodeia. Nos dois corpos que se tornam um está realmente o nascimento do universo, e a cada momento que os corpos se fundem celebra-se mais um momento de criação humana.
Na teoria tântrica a verdadeira importância da fusão dos corpos está centrada na energia. Esta energia está em todo o nosso corpo, fluindo por todos os locais energéticos que possuímos. A nuca, os órgãos genitais, a coluna, a testa e o estômago são os centros energéticos do corpo ou, em linguagem mais correcta, os chakras, pontos concentrados de energia. É ajudando a fluir melhor ainda essa energia e a recebê-la correctamente que os praticantes de sexo tântrico se centram. Mas só é possível uma melhor fluidez da energia através de exercícios de meditação, respiração e concentração, que os levam a atingir um expoente sexual máximo e duradouro. Só assim é possível manobrar e controlar essas energias!
A mulher é quem rege as regras para que os corpos se fundam. O homem terá que lhe dar prazer, sem ejacular, concentrando-se o máximo possível no acto. Controlando-se até à exaustão, o homem deverá conseguir aumentar o desejo à sua companheira e esta ajudá-lo a ele a conter-se. Indubitavelmente, é necessária uma grande concentração de ambas as partes, para que a fusão dos corpos dure uma hora, tempo médio dos praticantes de sexo tântrico, embora o tempo tenha a ver com uma questão de prática pois há mesmo quem consiga durar horas com o sexo tântrico. Os orgasmos podem durar 15 minutos, e a parceira fica sempre por cima ou à frente, pois é ela que controla sempre a situação.
Muitas das posições são características do reino animal e, por isso, muitas das posições do sexo tântrico remontam sempre para a incursão de animais nos nomes das mesmas. As técnicas de respiração, postura e concentração são indispensáveis para a prática do sexo tântrico, senão seria impossível ter o potencial de equilíbrio que os seus praticantes possuem. Além do mais, os músculos devem ser controlados. A mulher deve contrair os seus músculos genitais durante 5 segundos e depois descontrair. Assim, a mulher pode aprisionar o sexo masculino e depois libertá-lo um pouco mais, sempre que ela entender. A relação sexual é dominada por ela, mas sempre com o auxílio do homem.
A realização de sexo tântrico não é para uma noite de engate. O Tantrismo implica um conhecimento prévio da pessoa, das suas capacidades, e é necessário que haja uma grande intimidade entre eles para que seja possível controlarem as suas energias e concentrarem-se. Para os casamentos que caíram na rotina, o sexo tântrico é como um milagre trazido dos deuses. A desinibição do casal é total, há uma maior cumplicidade e a alma e corpo de cada um é purificada pelas energias que fluem no corpo, mas que o casal aprende a controlar.
Para além de uma junção entre os sexos, existe acima de tudo uma forte actividade espiritual. O objectivo do Tantrismo é alcançar essa purificação e equilíbrio espiritual através do acto sexual, lento, demorado, mas totalmente controlado. No Tantrismo não existem relações sexuais rápidas. Tudo é lento e implica a máxima concentração, técnica de respiração e relaxamento. Crie você e o seu companheiro um espaço para o sexo tântrico, com velas e música ambiente. Deixe estar a queimar incenso, tome um banho perfumado antes, e opte por travesseiros e um colchão confortável. Tomem uma refeição leve, com afrodisíacos, usem óleos aromáticos, e excluam posições nas quais a mulher se possa cansar.

9 – Objectivos
A proposta principal do sexo tântrico é chegar a um prazer extremo, maior do que existe no orgasmo tradicional e manter essa sensação por tempo bem superior do que o considerado normal. Não pode haver pressa nenhuma em se chegar ao orgasmo. E quanto mais ele demorar a acontecer, melhor será. Parte-se do princípio de que toda energia retida, quando libertada, surge sob forma de uma explosão. Na verdade o casal parece perder a noção de tempo enquanto realiza o sexo tântrico. Portanto, se os dois têm compromissos, têm hora marcada para outras coisas, então é melhor deixar a prática para uma ocasião mais apropriada e ir até à esplanada fumar um cigarro.
O prazer não se resume ao hiperorgasmo, mas sim em todo o grau de excitação proveniente da relação e também em todo o carinho que cada um dos parceiros dará ao outro. Nesse caso, percorrer o caminho para chegar até ao ponto desejado é tão orgásmico quanto atingi-lo. O que se quer é prolongar ao máximo o prazer. Não há tempo estabelecido para que ele termine, pode começar e estender-se por horas, o tempo será de acordo com a vontade do casal. Em média, uma relação sexual dura cerca de 15 minutos, no sexo tântrico ela dura no mínimo duas horas. Caso haja ejaculação em menos de uma hora, é considerada uma ejaculação precoce.
O que tem o sexo tântrico, também, de valioso é o facto da valorização da figura feminina. Ela é vista na relação como uma divindade, e em muitos momentos será ela que estará conduzindo a relação, onde ela em várias situações estará na posição de dominadora, ou seja, em cima do homem. O sexo tântrico inicia-se com troca de palavras afectuosas, trocas de carinho e de contemplação simultânea de ambas as partes. Não existe egoísmo nem vontade de ir lá fora ver se está a chover. Ambos aproveitam e doam-se um para o outro. Esse tipo de sexo é realizado sob uma espécie de ritual e algumas regras são seguidas para que não fujam do objectivo e este seja cumprido da melhor forma possível. Sexo carnal é diferente de sexo tântrico. Nesse segundo, não existem atitudes agressivas nem violentas. Não existe aldrabice e o que se procura, literalmente, é fazer amor, aliás, a forma mais correcta de denominação seria Amor Tântrico. Um detalhe importante a ser lembrado é o de que o uso do preservativo é proibido nesta relação e outro facto que é preciso relatar é o de que já houve situações em que o orgasmo estava desassociado do sexo. Ou seja, orgasmos sem ejacular e ejaculação sem orgasmos. Assim é batota.

10 - Espiritualidade e hiperorgasmos
Já pensaram como seria bom ser tratado como um deus, fazer amor durante horas a fio e prolongar o prazer até ao inimaginável? Está tudo ao vosso alcance e é mais fácil do que parece. Descubram os segredos do Tantra e percam-se nas suas proezas.
Ao contrário do que muitas pessoas possam pensar, o Tantra não é terapia sexual, massagens eróticas ou colecção de posições sexuais esquisitas. O Tantra é uma filosofia comportamental que surgiu na Índia antiga e abrange várias dimensões sociais: sexo, cultura, moral... e sexo. Digamos que o sexo tântrico é um legado da cultura hindu.
Nesta prática, a satisfação do desejo feminino é uma necessidade vital para as relações sexuais harmoniosas. A mulher é considerada uma divindade e, como tal, tudo está centrado nela. Curiosamente, os praticantes do Tantra defendem que numa relação sexual a mulher deverá permanecer por cima do homem. A explicação filosófica para isso é a de que ela representa a deusa Shaktí e o homem, como adorador da deusa, deve ficar por baixo. Na prática, tudo funcionará bem se a mulher não sofrer de obesidade mórbida.
E, de facto, o sexo tântrico confere especial importância a dimensões do relacionamento erótico que muitos homens tendem a menosprezar: os chamados preliminares - olhar, tocar, beijar, cheirar...
Mas quais são os objectivos do Tantra?
Os apologistas da prática defendem que a finalidade é conduzir o ser humano ao mais alto conhecimento da sua evolução através do prazer.
O Tantra é uma derivação do Ioga. Nos textos clássicos indianos, o Tantra refere-se, essencialmente, à saúde, à alimentação, à higiene, à espiritualidade e só depois à sexualidade. É uma filosofia que se baseia num conjunto de normas de vida que culminam numa relação sexual, onde é possível alcançar-se o máximo prazer.
O equilíbrio entre as energias espiritual e sexual é um dos princípios do sexo tântrico. A entrega total ao outro é uma condição básica, pois só assim é possível uma verdadeira união.
O caminho para o prazer
Teorias à parte, passemos às explicações concretas do tema. Afinal, o sexo tântrico é um culto do prazer ou uma terapia sexual? Nem uma coisa, nem outra. É, sim, uma forma de adiar ao máximo o orgasmo, de modo a conseguir-se obter mais e maior prazer.
Alguns praticantes afirmam conseguir manter 24 horas de contacto sexual ininterrupto... Por outro lado, todos garantem que uma relação nunca dura menos de três horas, independentemente da idade do casal. Impressionante, não?
Mas como é possível?
É fundamental ter uma vida saudável, sem vícios. Bebidas alcoólicas, cigarros, drogas, informática, tabaco, matraquilhos e carne não devem fazer parte dos hábitos de um potencial praticante. Fruta, cereais, legumes, sumos naturais e muita água devem constar do cardápio dos adeptos.
Técnicas de Ioga e de relaxamento e saber controlar a respiração são exercícios imprescindíveis. Outro ponto essencial é o homem aprender a controlar a ejaculação, de modo a conseguir prolongar a relação por mais tempo.
Em última análise, é possível evitar o clímax indefinidamente (pelo menos teoricamente, é possível fazê-lo durante anos), de forma a conservar sempre uma enorme disponibilidade física (erecção/lubrificação) e psíquica (desejo) para o sexo.
Para chegar e, mais difícil, conservar-se nesse mágico limiar do orgasmo é preciso reunir grande disponibilidade física e emocional. Isto requer alguma preparação. Convém reservar algumas horas e desligar telefones, televisão, máquinas de lavar e tudo o que possa desconcentrar a relação.
Mas os benefícios do Tantra não são só sexuais. A energia gerada através destas práticas pode ser redireccionada para outras dimensões do dia-a-dia e permite melhorar substancialmente a qualidade de vida, tal como o rendimento físico e a criatividade. Talvez por isso, o número de adeptos de sexo tântrico no Ocidente continue a aumentar. O interesse começou a manifestar-se mais a partir dos anos 70. Uma figura mediática apologista desta prática é o cantor Sting: "Graças à prática de sexo tântrico posso fazer amor durante cinco a seis horas", declarou o marmanjo.

11 – Considerações finais
Nada de ejaculação precoce nem pressa: o sexo tântrico busca o prazer máximo e duradouro com os cinco sentidos. Se você quer experimentar o chamado hiperorgasmo, então tome nota:
Carícias
Uma relação sexual comum dura por volta de 15 minutos. O sexo tântrico deve durar pelo menos duas horas. Caso dure menos de uma hora, é considerado ejaculação precoce. O sexo tântrico tem uma duração mínima, mas não uma máxima: quanto mais tempo durar, mais prazer proporcionará. O Tantra encoraja o homem a fazer com que sua companheira se sinta divina.
Não há dúvida que os norte-americanos, essa cambada de mariconços e de fufas desenfreadas, não praticam o sexo tântrico: 70% deles ejaculam apenas dois minutos depois da penetração e 90% delas têm de procurar na gaveta da mesinha de cabeceira pilhas novas para o vibrador. O sexo tântrico tem como proposta exactamente o contrário: evitar a penetração rápida e brusca, para que a ejaculação não seja o único motivo da relação sexual.
O sexo tântrico leva em conta que a nossa pele possui cerca de 600 mil pontos de sensibilidade. A ejaculação é considerada um desperdício de energia vital e por isso deve-se aprender a adiá-la.
Começando
Faz parte do ritual tântrico iniciar o sexo com uma contemplação e adoração mútuas, com palavras doces e carícias, fazendo amor com os olhos bem abertos, sem dispersão ou agressividade, sem pressa e com sentimento. Depois das carícias tântricas, o passo a seguir é o sexo tântrico, cujo objectivo principal é prolongar a excitação sexual do casal.
O pénis do homem deve penetrar a vagina da sua companheira, mas apenas cerca de dois centímetros e meio (uma polegada, mais coisa menos coisa). O homem deve manter o pénis dentro um minuto, depois retirá-lo e descansá-lo sobre o prepúcio do clítoris da companheira antes de voltar a penetrar.
Esse jogo deve ser mantido por cerca de vinte minutos, quando se iniciam as dez posições básicas do sexo tântrico. Essas devem ser executadas seguidamente ao longo de duas horas. Devem ser alternadas por descansos e pausas para que o casal descanse, a erecção se distensione e os corpos reponham forças bebendo ou comendo algo leve.
As posições
Depois da introdução, o sexo tântrico começa com o casal sentado, os dois levemente inclinados para trás e se apoiando o peso nos braços. A penetração é lenta e os movimentos pélvicos circulares.
A seguir acontece a penetração profunda. A mulher deve abrir bastante as pernas, quase em forma de V. Compensando o esforço físico anterior, o sexo segue com o casal sentado, cara a cara, os corpos erguidos e as pernas entrelaçadas. É uma postura para abraçar, acariciar e deixar que circulem os sentimentos.
A postura clássica do missionário é a quarta etapa. O homem deve procurar a todo momento retardar e refrear sua ejaculação, porque a quinta etapa o levará a uma postura mais cómoda: com o homem deitado, a mulher senta-se agachada sobre ele em plenitude completa, ambos unidos pelas mãos, fazendo movimentos pélvicos circulares.
Um momento de descanso
A sexta posição é uma variação da anterior: o homem coloca algum apoio (almofadas) sob as costas, nas quais pode apoiar-se. Assim, a mulher pode mostrar-lhe seu corpo e oferecer-lhe seus seios para que ele os beije.
O sétimo passo obriga ambos a olharem-se nos olhos e a deter a marcha da relação. É um passo difícil, mas é obrigatório para conservar a energia até o final. Para isso, uma postura clássica com o homem recostado sobre a mulher é o ideal.
Depois do instante de relaxamento, a oitava etapa coloca o homem em cima, por trás da mulher, ambos estirados, com penetrações profundas.
O nono momento é o das tesouras. É uma postura atípica, na qual ela recebe quase de costas, passando uma perna sobre a cintura do parceiro, que a penetra profundamente, entrelaçando os corpos. É o prelúdio da última postura: ele está semi-incorporado e ela senta-se sobre ele, dando-lhe as costas e deixando-se penetrar suavemente enquanto ele lhe acaricia os seios e beija o pescoço.
Todas as etapas do sexo tântrico foram cumpridas e a excitação dos amantes é absoluta. Este é o momento de viver algo difícil de narrar: o hiperorgasmo. E era mais uma cervejinha, fáchavor!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Lenda do tesouro de Couce


O Padre Joaquim Alves Lopes Reis conta assim a lenda das riquezas supostamente deixadas pelos mouros nos fojos de Santa Justa:


"Ainda a estes tempos de historia dubia remontam outros factos que nos conta a lenda e conserva a tradição. Queremos referir-nos à crença antiga que existia aqui de que os mouros tinham deixado nos fojos da Santa Justa thesouros escondidos e grande quantidade de ouro e prata, crença que augmentou muitissimo com o apparecimento de um celebre roteiro, escripto em letra redonda, que, comendo varios pacovios, dizia estarem em certos e determinados logares cousas riquissimas que nunca ninguem viu, nem chegará a ver.
Arrastados pelo que dizia esse livro, que se acreditava como se fosse uma Escriptura, vinham a esse monte muitos illudidos que a todos os dias e a todas as horas entravam pelas cavernas e furnas, seguindo as indicações que tinham e sabiam, e entre eles um tal Enxota diabos dos lados de Avintes, que com essas artes magicas e encantamentos poude tratar com o Espirito guardador d’estes thesouros a facil maneira de os possuir.
Combinou o negocio não sei se com escriptura e papel sellado (quem seria o juiz n’esse tempo?) e no dia aprazado appareceu com grande numero de carros que queria carregar de ouro. Era pelas onze horas da manhâ de um dia nebuloso e triste e o Enxota havia-se adiantado da comitiva para pedir o cumprimento do tratado que havia feito. Mas, quando despreoccupados e alegres todos esperavam para breve a ordem de enriquecer, levantou-se no monte tamanho furacão que carros, bois e povo, tudo, voando pelos ares, foi parar a grandes distancias, recebendo tal lição que nunca mais pensaram em ser ricos por esta forma.
Com um outro individuo de Vallongo chamado o ‘Avô-Tó’ aconteceu tambem que, tendo um dia de noute tratar com um certo espirito, que era evocado altas horas, a consecução de grande quantidade de ouro, appareceu lá n’outra occasião combinada e recebeu, contava elle, dous saccos cheios de reluzentes moedas de ouro com que carregou um jumento e veio para casa com a condição de em todo o caminho não pronunciar palavra. Mas o homem não foi fiel á promessa. No termo quasi da sua empreza, vendo que o animal ia a tropeçar bastante, não pôde deixar de soltar um terrivel chó! que foi causa de que ao abrir os saccos não encontrasse, senão terra negra e fria."